quinta-feira, 9 de abril de 2020

Identificar e tratar a anemia para salvar vidas


Há necessidade de sangue em Portugal. Os sucessivos apelos dão conta disso mesmo e motivam preocupação, não só a nível nacional. Esta escassez não é um exclusivo do nosso país, sendo partilhada por muitos outros que, a braços com uma epidemia global que se combate também através do distanciamento social, têm visto os dadores afastarem-se, receosos de uma possível exposição ao vírus. Em risco ficam os doentes cujas vidas dependem da transfusão de sangue. 

É por ter consciência da iminência desta escassez, causada pela pandemia do COVID-19, que a Society for the Advancement of Blood Management (SABM) decidiu deixar um alerta. Em comunicado, reforça que “para preservar o declínio progressivo no fornecimento de sangue, os Estados Unidos e outros governos, bem como a Organização Mundial da Saúde, é essencial existir programas de Patient Blood Management (PBM) ou, por outras palavras, programas de gestão de sangue dos doentes.”

A SABM acredita que a implementação destes programas é a solução para que parte da atividade clínica necessária possa continuar, de forma a que as reservas de sangue disponíveis possam ser usadas por aqueles que delas mais precisam. Assim, recomenda, entre outras medidas, o diagnóstico e tratamento da anemia.

Se suspeita da doença, fale com o seu médico! Recordamos os sintomas: sensação de fadiga constante, falta de concentração, irritação, falta de memória, palidez, dores de cabeça, tonturas, extremidades frias… Para quem já tem diagnóstico, o conselho é simples: cumpra a medicação prescrita pelo seu médico. Cuide de si!