terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Mais do que resoluções, faça decisões de ano novo


Com a chegada do ano novo, multiplicam-se as resoluções, transformadas em promessas: que este ano vamos praticar mais exercício físico, que vamos comer melhor, que vamos estar mais atentos à saúde. Promessas que não costumam passar disso mesmo. 

As desculpas para tal são muitas, como a falta de tempo, a agitação do dia-a-dia, a falta de paciência. Mas tendo em conta que a anemia, sobretudo aquela que é associada a uma deficiência de ferro, é já considerada um problema de saúde pública, afetando milhares de portugueses, e tendo em conta também que o teste que confirma a sua presença é simples e de fácil acesso, não há nada que impeça que a atenção à anemia e deficiência de ferro se torne, mais do que uma resolução, uma decisão para 2020.

Para isso, basta apenas que se dirija ao seu médico e que peça para fazer o exame de sangue.

Mais info em (https://orostodaanemia.blogspot.com/2019/07/descobrir-anemia-os-exames-que-poem.html), que valoriza os sintomas e que procure mais informação. Passe das palavras à ação e junte-se à luta contra a anemia.

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Dicas e conselhos para um Natal de ferro


Quando se fala de anemia tem de se falar de deficiência de ferro, uma vez que esta, ainda que não seja a única, é a principal responsável pelos casos de anemia. E quando se fala em ferro é quase inevitável falar em alimentação, tema que vem a propósito da quadra natalícia. Afinal, quem é que ainda não pensou sobre qual a melhor forma de apresentar o bacalhau da consoada, qual o melhor prato para a mesa do dia 25 ou que sobremesas prometem adoçar esta noite em família? 

Porque a prevenção continua a ser o melhor remédio e porque, aqui, esta passa pela alimentação, que tal reforçar a atenção prestada ao que coloca no prazo nesta época? É no equilíbrio que está o segredo e este significa comer com conta, peso e medida, mesmo que seja complicado resistir a todas as tentações que costumam encher a mesa nesta altura do ano.

Seja um menu mais tradicional ou mais arrojado, há opções saudáveis para todos os gostos. Se é vegetariano, o blog do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde, deixa uma sugestão rica em ferro e não só: abóbora-menina recheada com castanhas, cogumelos e avelãs (uma receita que encontra aqui), que junta os hortícolas da época, aos frutos gordos, resultando num prato “rico em sabores e texturas”, complementado com um puré de feijão branco.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Junte o seu rosto à campanha do Dia da Anemia!


Já aqui o dissemos, mas nunca é demais repeti-lo: a anemia é um problema de saúde pública. E nunca é demais também reforçar que, apesar de afetar um em cada cinco portugueses adultos em qualquer momento da sua vida, os seus sintomas continuam a ser pouco valorizados, ignorados, relegados para segundo plano. É para que não se esqueça deles, para ajudar a reconhecê-los de imediato e a procurar ajuda médica que foi criado https://orostodaanemia.pt/junte-se-a-campanha/.

Nesta aplicação pode, ao mesmo tempo, informar e ser informado de uma forma simples. Pode alertar, sensibilizar e ajudar, tornando-se o rosto da luta contra a anemia, que pode afetar cada um de nós, desde crianças a adultos, homens ou mulheres.

Para isso, basta apenas que carregue uma fotografia sua e que, de entre a lista de sintomas que indicam a presença de anemia, escolha os que melhor entender.
O passo seguinte é partilhar nas suas redes sociaisdivulgar junto de familiares e amigos, passar a palavra. Porque todos podemos ser o rosto da anemia.

---> JUNTE-SE AQUI À CAMPANHA <---




Mulheres unidas contra a anemia


Nunca tive anemia. E embora conheça uma pessoa que já teve, a proximidade entre nós não é suficiente para uma partilha sobre o tema. Confesso que, sobre este problema de saúde, sei o básico. Ou seja, sei que da lista de sintomas mais comuns fazem parte a palidez e o cansaço, algo que sinto com frequência. Afinal, quem não sente? Mas acho que, tal como a esmagadora maioria das pessoas, costumo associar esse cansaço ao stress diário. Tendo em conta o dia-a-dia agitado e ocupado que levo, não pensaria primeiro em anemia. Mas é algo em se pensar e atentar.

Sei também que, pelo simples facto de ser mulher, o risco de vir a ter anemia é maior. Como se não bastasse já a discriminação que nós, mulheres, somos vítimas em tantas áreas, também aqui os homens levam a melhor. Mas admito que não sabia bem porquê. E o desafio de escrever sobre o tema, a propósito da campanha O Rosto da Anemia, levou-me a ir à procura dos motivos. 

Fiquei então a saber que tem tudo a ver com o ferro ou com a falta deste. Dizem os especialistas que existem alturas na vida das mulheres em que o risco de deficiência de ferro é maior. Acontece com a menstruação - se a quantidade de ferro na alimentação não for suficiente para corresponder à quantidade de ferro perdida através do período, podemos ficar com deficiência de ferro e esta é a principal responsável pela anemia. E acontece também com a gravidez e o pós-parto. 

É, por isso, importante fazer o rastreio, ou seja, análises de sangue. Porque já que não podemos evitar ser um grupo de risco, pelo menos podemos agir no sentido de prevenir este problema.

Vanda Miranda

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Anemia, uma preocupação de mãe


Foi numas análises de rotina que descobri que tinha anemia. E foi apenas nessa altura que percebi que alguns dos sintomas que me acompanhavam não eram, afinal, normais. A verdade é que muitos deles faziam muito sentido para mim, como o cansaço extremo que, mesmo sem causa aparente, eu acabava sempre por conseguir justificar, assim como o tom de pele mais pálido e um estado de espírito mais apático. Nessa altura, procurei mais informação e percebi que a anemia pode ser algo bastante complexo e grave e que pode afetar qualquer um, até mesmo as crianças.

Como mãe, uma das minhas maiores preocupações é a saúde dos meus filhos. Quero vê-los felizes e quero sobretudo vê-los bem. Por isso, penso na alimentação, na minha e na deles. Acredito mesmo que esta pode ser uma forma de prevenção de doenças e, ainda que não sendo extremista, opto por ser muito cuidadosa com o tipo de alimentação que têm, sobretudo em casa. Acima de tudo, preocupo-me com a variedade, ou seja, privilegiamos as frutas e legumes da época, pois acredito que tem os nutrientes que o nosso organismo precisa nas diferentes alturas do ano, e também com a qualidade, consumimos local e biológico sempre que possível. 

Sei que estar atento ao que se coloca no prato é uma forma de prevenir a anemia, até porque os especialistas não têm dúvidas que a principal responsável por este problema na infância é a deficiência de ferro. Mas também sei que, independentemente dos cuidados, é importante estar atento aos sinais, como o cansaço, falta de apetite e pele pálida. E, claro, consultar um médico quando algo não vai bem. É que a anemia e a deficiência de ferro têm tratamento, um tratamento que os especialistas conhecem bem.


Vera Dias Pinheiro (blog As viagens dos V's)